A necessidade de reinventar a relação com o tempo

Por: Time CI&T

Foto de uma mulher de lado, sentada em um banco diante de uma mesa. Ela gesticula com a palma das mãos para cima, na frente de um notebook aberto.
Posted on Aug 14, 2020

O que você vai ler aqui:

  • Novas questões, nova organização
  • Mudando a visão do tempo
  • Dicas e aprendizados para reinventar sua relação com o tempo


 

O contar do relógio ganhou novos significados nos últimos meses. As horas, dias e semanas passam sem que tenhamos a cadência que era marcada pelas mudanças de cenário. Isso porque, desde que nos deparamos com a necessidade do distanciamento social e do trabalho remoto, a paisagem permanece - quase sempre - estática: a nossa casa. Não saímos mais pela manhã para trabalhar, não vamos mais ao restaurante no horário do almoço e nem ao café de costume e não encontramos a noite no trânsito da volta. Os pequenos símbolos da passagem do dia se transformaram. Hoje, nossa percepção de tempo está mais ligada ao tempo da natureza, à luz do Sol entrando pela janela e passeando pela sala conforme o dia passa. 

 

O calendário é marcado pela agenda de tarefas do dia no trabalho, pela organização dos afazeres domésticos, pelas demandas de familiares, pelas lives que queremos assistir. Tudo no mesmo ambiente e, às vezes, sobrepondo-se. Já que, junto à quebra de tempo, também houve a quebra do espaço. Na mudança do offline para o online, perdemos a divisão entre casa e escritório

 

Essa realidade, imposta abruptamente, moveu com nossas certezas, quebrou nossas rotinas e, no início, trouxe insegurança, desconforto e desorientação para muitos. Algumas pessoas se sentiram perdidas pela falta de referências: como vou organizar o meu dia em casa trabalhando a distância de colegas e lideranças? Teve quem, por ter família, não sabia como conseguiria separar - em um mesmo ambiente e nas mesmas horas do dia - as obrigações profissionais, as necessidades dos filhos e as suas. E outros, acreditando que o tempo havia se expandido pela supressão da necessidade das horas de trânsito, fizeram planos animados: fazer exercícios, aquele curso que queria há tempo, meditar, colocar as leituras em dia. 

 

Não importa quais são as previsões individuais, a realidade rapidamente se mostrou diferente do que imaginávamos. Não demorou muito para que percebêssemos que o tempo seguia o mesmo, mas as atribuições haviam mudado. O trabalho seguia, e a necessidade de cumprir as obrigações batia à porta, independentemente de como - e se - já havia organização para tal. Escolas iniciaram ensino online, tomando tempo imprevisto e demandando dedicação intensa de mães e pais. E quem acreditava que o tempo no trânsito seria revertido em produtividade viu esse mesmo tempo indo embora entre preparar as refeições e manter a casa em ordem. 

 

"No começo, eu tive aquela sensação que o meu tempo era infinito porque eu gastava muito com deslocamento. E fiquei com uma cobrança muito grande comigo mesma de que todo esse tempo que eu tinha a mais fosse produtivo. Só que eu descobri que não é assim. Porque, antes, eu não tinha a necessidade de cozinhar todos os dias e lavar a louça. E isso virou uma frustração muito grande."

Josiane Portela, Content Leader

 

"Eu fazia tudo que queria fazer, todos os cursos, exercícios, alimentação saudável, tudo o que eu tinha deixado na gaveta. Só que eu me sentia muito exausta porque parecia que faltava tempo para tudo. No trabalho, parecia não haver mais aquela divisão de começar às 8h e terminar às 17h. Eu me perdia e não conseguia encerrar o dia. Então, virou uma grande confusão para mim."

Jessica Galassi, Content Analyst

 

Frente a esses desafios, muitos entraram em uma espécie de modo de espera, aguentando as mudanças como provisórias, adaptando o mínimo necessário para viver o que se acreditava ser uma fase. Porém, não foi isso que aconteceu. Os meses se passaram sem perspectiva ou data de término para a nova situação. Entrou na moda a expressão "novo normal", querendo dizer que deveríamos nos acostumar a essa realidade dali para a frente. Isso acabou por gerar muita autocobrança de quem não se sentia confortável com a transformação, muito estresse e frustração. Era necessário mudar a forma como entendemos o tempo e como organizamos nossas vidas. 

 

"Desde o início, não quis preencher o meu dia com essa falsa ilusão de que eu estava ganhando mais tempo. O tempo segue o mesmo, agora, com outras atribuições. Era muito mais sobre reorganizar o meu tempo porque, talvez, eu teria que prestar mais atenção em coisas importantes para mim que, com a correria do dia a dia, no meu “tempo antigo”, eu não me permitia olhar. E acho que esse momento convidou todos a cuidar dessas questões importantes que a gente deixava para depois." 

Daniel Marcos Pereira, psicólogo e Branding Analyst

 

Reinventando a visão do tempo 

Esse dinâmica de como organizar a vida com base no tempo sempre foi uma questão basilar para a humanidade. Nossos ancestrais orientavam suas atividades de acordo com a posição do Sol e pelas fases da Lua. Muitos séculos mais tarde, passou a imperar o tempo da igreja, com os sinos marcando a pulsação da sociedade. Em seguida, a revolução industrial inaugurou a nossa atual relação com o tempo e o relógio começou a guiar o ritmo social, dividido pelo tempo de trabalho, tempo de alimentação e de descanso. 

 

Hoje, vivemos uma nova revolução, na qual esses três tempos - que foram as diretrizes da nossa sociedade até agora - passam a se inter-relacionar. 

 

"O ser humano sempre teve esse conflito com o tempo, só que acabou que, com a contemporaneidade, com essa correria toda, a gente estava perdendo um pouco essa relação com o nosso tempo. Talvez, esse momento atual nos levou a olhar para ele de uma forma diferente e até mesmo conseguir priorizar coisas que eram importantes e que a gente foi deixando pelo caminho." 

Daniel Marcos Pereira, psicólogo e Branding Analyst

 

O caminho é o de aceitar que o ritmo do tempo mudou e se adaptar. Criar uma forma mais flexível e pessoal de entender como contar as horas, os dias e como dividir as tarefas entre o online e o offline, entre a vida pessoal e o trabalho. 

 

"Eu entendi que, para sobreviver a esse novo ambiente, eu preciso não contar mais com o tempo. E isso acabou sendo muito libertador. No sentido de começar a entender que o dia tem 24 horas, e o que eu tenho é o hoje. Isso me deu um pouco mais de tranquilidade também em relação ao trabalho. Eu entendo que eu preciso encerrar o meu dia realmente às 17h. Depois, vou pensar em mim. E se eu quero fazer alguma coisa, eu não vou planejar para o futuro, eu vou fazer o que consigo hoje."

Jessica Galassi, Content Analyst

 

A nova visão sobre o tempo deve basear-se menos na cadência das horas e mais na humanização da nossa relação com ele. O tempo deve ser contado mais a partir das prioridades da vida de cada um e menos a partir de pressões sociais.

 

"A gente já estava programado para, todos os dias, levantar no horário, ficar ali dentro da organização performando, fazendo isso e aquilo. Depois, bater o ponto e sair, voltar para casa e aí, talvez, tirar todo aquele aparato ali, aquela armadura do profissional para usar uma nova veste. Só que não existe essa divisão entre vida pessoal e vida profissional. A vida é uma só." 

Daniel Marcos Pereira, psicólogo e Branding Analyst

 

Dicas para reinventar sua relação com o tempo 

Dos aprendizados que colhemos em nossas conversas para trabalhar as dificuldades do novo cenário, separamos algumas diretrizes básicas que têm nos ajudado a reorganizar nossa relação com o tempo e a estruturar nosso dia a dia de uma forma equilibrada e saudável. Confira algumas delas: 

 

1 - Aproprie-se do seu tempo - Priorize o que é valioso para você. Avalie seus propósitos e objetivos e cuide deles em primeiro lugar. Não esqueça de reservar diariamente um tempo para sua família e seu autocuidado, além do trabalho. 

 

"Para mim, o maior choque foi perceber o tempo que gastava com coisas que não me agregam, como o trânsito. Quando a gente é colocado dentro de casa, acabamos nos apropriando melhor do tempo que gastávamos de uma maneira sem sentido."

Michelle Lopes Silva, Digital Marketing Analyst

 

No trabalho, tome em suas mãos a responsabilidade por administrar o tempo de realização de suas tarefas profissionais no prazo sem esquecer de reservar momentos para autoavaliação e para pedir feedbacks e buscar aperfeiçoar o seu desenvolvimento. Se o seu dia de trabalho começa às 8h e termina às 17h, procure manter essa rotina dentro das possibilidades. 

 

2 - Seja flexível - Tenha em mente que imprevistos ocorrem e não se preocupe em demasia com eles. Redirecione as tarefas com tranquilidade. E assim como você espera que as pessoas entendam quando você tiver algum problema de percurso, seja compreensivo com os demais. Estamos todos expostos a interrupções o tempo todo.

 

"Então, o fato de todo mundo estar na mesma situação, até mundialmente falando, traz esse pensamento mais universal, né? Independentemente do nível hierárquico em que estou, por exemplo, estou na mesma situação que um ou uma analista, que estagiários, enfim. É mais fácil você ter uma empatia com a situação do outro."

Jessica Galassi, Content Analyst

 

3 - Não ultrapasse seus limites - Respeite-se. Compreenda que o contexto não é simples e envolve muita carga emocional. Para além das suas questões pessoais, é claro que impacta muito o número de vidas perdidas em função da pandemia. Aceite suas vulnerabilidades e seus momentos. Acolha-se e acolha aos demais. 

 

"Eu busquei respeitar os meus limites, sabe? Dentro das minhas frustrações nesse período, dentro das minhas incertezas, eu busquei me respeitar. Sei que há dias em que eu vou estar bem, há dias em que eu não vou estar bem, há dias em que eu vou conseguir produzir e há dias em que eu não vou conseguir produzir, e tudo bem."

Daniel Marcos Pereira, psicólogo e Branding Analyst

 

4 - Marque pausas na agenda virtual - Não se cobre demais por velocidade na produtividade, por estar fazendo sempre algo útil. O tempo de descanso é fundamental para sua saúde física e mental, além de que recarregar energias dá nova motivação para seu trabalho e propulsiona a sua criatividade. 

 

"Passamos por um processo de entendimento de que eu preciso ter esse tempo vago para literalmente fazer nada e pela minha saúde mental, para que eu não me sobrecarregue. Então, sempre tem uma meia horinha pra jogar conversa fora. Além de ter uma sala virtual para o café. De vez em quando, um ou outro entra para relaxar, bater um papo ali de dez minutos e depois voltar às atividades." 

Josiane Portela, Content Leader


 

5 - Peça apoio quando precisar - Na CI&T e em algumas companhias, há ações de suporte para os colaboradores e colaboradoras neste período complicado profissional e pessoalmente. Geralmente, são grupos da área de pessoas que estão à disposição para ajudar a sanar as novas dificuldades e acompanhar quem precisar de apoio especial. Se esse for o caso da sua, não tenha constrangimento em acessar esse grupo quando precisar. 

 

"Por meio do diálogo, de reuniões, sejam mais sérias, sejam mais descontraídas, a gente tem acolhimento de todas as pessoas. Há dias em que precisamos de um minuto quietos para poder voltar a produzir. E existe esse olhar, existe uma conversa, existe uma preocupação de ajudar a redirecionar seus esforços para outra coisa até que você consiga retomar o ritmo."

Michelle Lopes Silva, Digital Marketing Analyst

 

"O fio condutor atrás de toda essa movimentação, todas as ações que a empresa foi fazendo durante esse tempo, desse olhar humano, está atrelado à nossa cultura. Isso já existia no presencial, mas está ficando mais evidente agora, quando estamos todos passando por esse momento de distanciamento. São essas ações que sustentam a cultura de um olhar de cuidado com as nossas pessoas."

Daniel Marcos Pereira, psicólogo e Branding Analyst