Como alavancar sua carreira de desenvolvimento para liderança técnica

Por: Adriano Tavares

Foto de duas mulheres de costas e, no centro, a tela de um notebook com código de programação na tela. Uma das mulheres tem o dedo indicador de um da mãos apontada para a tela e a outra mão sob o teclado.
Posted on Sep 15, 2020

O que você vai ler aqui

  • 6 lições para líderes técnicos
  • Dicas práticas para o dia a dia 
  • Amplie sua visão e evolua na carreira 


 

“Sozinho. Se eu tivesse que escolher uma única palavra para descrever como me senti na minha transição de engenheiro para gerente técnico, seria essa. Por mais que eu estivesse animado, também fiquei aterrorizado.”

Oren Ellenbogen, autor do livro Leading Snowflakes 

 

De fato, você que está nessa transição de carreira, não precisa estar só. Os desafios, incertezas e dificuldades são comuns e, sim, também fizeram parte do processo de líderes que, hoje, você admira e em quem você se inspira na busca por evoluir na sua carreira. Por isso, não hesite em buscar apoio da sua gestão e de seus pares no seu time

 

Além disso, digo por experiência própria que, como arquiteto ou arquiteta de sistemas, você precisa ser alguém que seu líder ou sua líder e seu time possa procurar para obter ajuda com desafios do dia a dia de gestão técnica, como priorizações, solução de problemas, tomada de decisão e análise de risco. Por outro lado, a única maneira de manter a nossa natureza tecnológica é praticando continuamente nossas habilidades de criação junto aos nossos times, mesmo que em menor escala. Tenha isso em mente para quando chegar a sua vez de liderar. Estar disponível para ensinar, mas também para praticar e aprender sempre faz parte da função.  

 

Na sua jornada para se tornar líder, você vai ter que aprender algumas lições. Aqui, contribuo com seis que são úteis para mim e listo as práticas simples que adotei no meu dia a dia como desdobramento delas. Cada uma delas me ajudou muito na construção da minha trajetória de liderança:



6 lições para profissionais de arquitetura de sistemas e suas dicas de ouro

 

1 - Alterne entre os modos "Maker" e "Manager"

1.1 - Crie um calendário baseado em função - Uma das minhas principais dificuldades, no início, foi como encontrar o equilíbrio entre o meu papel de desenvolvedor, já bem estabelecido, e o meu novo papel de líder nascente. Eu queria dar mais foco ao "eu-líder", mas isso não era possível. Como profissionais de desenvolvimento, o parâmetro de avaliação é a nossa capacidade de concluir tarefas. E como gerentes, a capacidade de escalar nossa equipe e a empresa. Para ser honesto, a gestão do tempo se mostrou mais desafiadora do que eu esperava.

 

Essas expectativas diferentes acontecendo ao mesmo tempo acabam dividindo nossa atenção e levam a modos de trabalho muito distintos entre si. A forma que encontrei foi com um simples truque: organize o calendário de tarefas usando cores diferentes, uma para suas funções como “maker” e outra para sua versão “manager”. Assim, você vai ter maior visibilidade sobre como está se dividindo e se planejando para equilibrar as duas tarefas. 

 

1.2 - Ative o "modo maker" - Preste atenção no que faz com que você tenha mais foco em suas atividades e consiga despertar a sua criatividade. Crie formas de ativar e manter-se nesse estado. Seja em casa, iniciando sua rotina de trabalho em espaços tranquilos e propícios à concentração, seja na companhia, em uma sala de foco, quando retornar às atividades presenciais.

 

 


Não atrapalhe quem estiver em "modo maker"


Em momentos que precise manter o foco, use fones, desligue notificações ou até mesmo desligue o celular e adote símbolos no seu local de trabalho que avisem outras pessoas que não é hora de interrupções. 

 

1.3 - Descubra quais tarefas você deve assumir - Eu divido este tópico em algumas diretrizes para potencializar o seu trabalho e da sua equipe, além de otimizar o seu tempo no caminho de seus objetivos.

 

- Concentre-se, preferencialmente, em tarefas mais curtas, que exijam dedicação de menos de 4 horas. Isso pode envolver a pesquisa de uma solução, ou a resolução de um bug ou problema de desempenho. 

- Tenha cuidado ao assumir tarefas que estejam no caminho crítico. A última coisa que você quer fazer é se tornar gargalo técnico. Então, aprenda a dividir e delegar. Lembre-se que você não é um super-herói que tem de resolver tudo sozinho como a Mulher-Maravilha ou o Super-Homem. Adote uma estratégia colaborativa aproveitando o melhor de cada um do time.  

- Busque aumentar a velocidade do time - Pegue tarefas que irão beneficiar o time, acelerando processos, práticas ou resultados. 

Explore uma nova tecnologia ou processo - Teste e produza uma demonstração funcional de novas ferramentas ou práticas que possam ser úteis e as apresente ao time. 

- Aumente a capacidade da companhia de atrair e reter talentos - Compartilhe com o mercado e profissionais da área algo incrível sobre seu trabalho, colegas de equipe, a empresa, projetos ou desafios bacanas que você esteja enfrentando.


 

2 - Revise suas decisões

Verifique as soluções: obtenha feedback de suas decisões - Para avaliar sua evolução, é fundamental contar com a avaliação de outros olhares que são relevantes para você no seu trabalho. Seja com líderes, pessoas do seu time ou de outros times, é importante realizar reuniões periodicamente para revisar sua solução técnica de maneira colaborativa. Para isso, apresente seus diagramas de arquitetura, requisitos não funcionais e tecnologias e os coloque em discussão. O nome dessa prática na CI&T é Solution Review.

 

Como puxar uma Solution Review? Convide alguém que você tem como referência e/ou gerente de arquitetura e outras pessoas do seu time envolvidas no projeto, apresente e solicite feedback. 

 

3 - Desafie colegas de equipe

Faça uma verificação de empatia 

 

"Se você quer conseguir alguma coisa neste mundo, você tem que se acostumar com a ideia de que nem todo mundo vai gostar de você."

Simon Sinek, autor e palestrante

 

Simon Sinek tem razão, porém, você pode se ajudar sendo cordial e adequado no relacionamento com colegas de equipe. Ao contrapor ou propor desafios a seu time, tome cuidado para que sua interação passe pelas três regras básicas da lista de verificação da empatia. Pergunte-se:

 

  • Eu demonstrei empatia?
  • Esclareci minhas expectativas?
  • Eu pratico o que acabei de pregar?

 

Se a resposta for sim para todas as questões, você passou no teste. Quando agimos com base em nossas crenças mais profundas sobre o que é certo para colegas de equipe e quando lideramos com honestidade e clareza, fica mais fácil lidar com qualquer desafio que se apresentar no seu caminho.

 

Mas atenção, aqui, trata-se realmente de ter empatia em todos os pontos e não em ter simpatia. Não confunda! Empatia é perceber a situação ou a perspectiva de outra pessoa. Isso significa ver como cada pessoa analisa uma situação sem a necessidade de concordar ou compartilhar seus sentimentos nem de resolver seus problemas.

 

Já a simpatia é a empatia adicionada de conexão de sentimentos. É mais do que perceber ou concordar com a perspectiva de alguém, é se identificar com essa pessoa. Isso não é necessário. Os times, inclusive, devem ser bastante heterogêneos para somar pontos de vista diversos e serem mais criativos. Logo, seus e suas colegas de equipe esperam que você aja sempre de um lugar empático, e não por simpatia.

 

4 - Delegue tarefas sem perder qualidade ou visibilidade

4.1 - Faça (e siga) a sua lista de responsabilidades - Aqui, proponho que você se organize fazendo uma lista de tarefas que representam o que você acredita ser sua responsabilidade hoje. 

 

A sua lista, por exemplo, pode ter as seguintes atribuições:

  • Implementar recursos arriscados (trabalho de infraestrutura)
  • Planejar marcos de desenvolvimento e entregas
  • Delegar tarefas à colegas de equipe
  • Conduzir revisões do código e de solução
  • Comunicar requisitos e progresso a outras equipes técnicas
  • Comunicar-se com as equipes de produtos e negócios para garantir as entregas
  • Entrevistar talentos relevantes para a equipe

 

4.2 - Delegue tarefas: defina resultados esperados - Depois de desenhar a sua lista, é hora de ver quais tarefas devem ser delegadas. Em seguida, crie um plano para distribuir cada trabalho. O mais importante, aqui, é definir apenas o resultado que você espera ver, e não como as pessoas devem chegar nele. Delegar é confiar. Cada pessoa deve executar da maneira que acreditar ser a melhor e mais correta. 

 

5 - Inspire e atraia futuros arquitetos e arquitetas

5.1 - Compartilhe conhecimento e inspire futuros arquitetos e arquitetas - Isso é algo que tendemos a esquecer: investir esforço na educação, inspiração e crescimento de futuros profissionais é fundamental para a empresa.

 

Então, use práticas cotidianas para compartilhar conhecimento e inspirar essas pessoas. Você pode ajudá-las a evoluir com práticas de coaching ou mesmo apoiando e solicitando opiniões em revisão de soluções e code reviews, estimulando programação em pares, realizando groomings e retrospectivas.

 

5.2 - Use táticas de recrutamento para atrair talentos - Inspiração, estímulo ao aprendizado e vontade de fazer parte de uma companhia se dá por admirar as práticas de trabalho e as conquistas de profissionais. Então, mostre ao mundo o que você faz. 

 

  • Escreva posts sobre coisas que você aprendeu ou fez de maneira não convencional 
  • Invista uma hora por semana para responder comentários online
  • Participe de hackathons sobre temas pelos quais você tem paixão
  • Participe de comunidades e projetos de código aberto
  • Disponibilize seu tempo para outras pessoas em conversas de 30 minutos 
  • Comemore os aniversários da empresa

 

6 - Construa uma equipe escalável

Prepare-se e prepare as pessoas para serem grandes líderes e multiplique o potencial de evolução da sua carreira e da companhia. 

 

Como fazer isso? Bem, desenvolver pessoas é, obviamente, mais difícil do que desenvolver softwares. Eu sei que você tem muitos anos de prática com a criação de "softwares escaláveis" diariamente. É, inclusive, parte da descrição do seu trabalho e você leu livros, participou de palestras, aplicou algumas práticas usando ferramentas conhecidas e conseguiu falhar vezes suficientes para aprender a mudar de rumos até que as falhas fossem imediatamente identificadas e solucionadas.

 

Mas, ao contrário do código e da arquitetura, as pessoas têm expectativas, necessidades, desejos e sonhos. Então, cabe a você conhecer e respeitar essas diferenças e expectativas, bem como estimular que todas façam o mesmo. Uma liderança se constrói mostrando o seu valor e sua capacidade de potencializar o valor dos demais. 

 

Para conseguir desenvolver equipes escaláveis, você deve ter em mente algumas características fundamentais e buscar adotá-las:

 

  • Alinhamento da visão - As equipes escaláveis ​​entendem o contexto e podem se conectar emocionalmente à grande visão da empresa. Deixe claro o objetivo maior a ser alcançado. 
  • Alinhamento dos valores fundamentais - Elas definem e cultivam valores essenciais, o que ajuda a criar harmonia e estimular respeito às diferenças.  
  • Funcionalidade e crescimento autoequilibrados - Distribuem claramente responsabilidades funcionais e de crescimento.
  • Valores fundamentais acima dos individuais - ​​Entendem que alcançar um alinhamento com os valores essenciais pode, eventualmente, fazer com que se percam talentos devido à características pessoais, e não técnicas. E tudo bem com isso. 
  • Senso de realização - ​​Comemoram suas vitórias à medida que continuam melhorando e enfrentando obstáculos. Sem a apreciação do esforço e a celebração de vitórias conquistadas com muito trabalho, só há o desgaste.

 

Amplie sua visão e evolua na sua carreira 

Temos que ter em mente que nosso objetivo como líderes é realmente inspirar nosso pessoal e nossa missão é ajudar a potencializar pessoas e fazer com que elas se tornem autogeridas. Para fazer isso, porém, devemos nos desafiar a evoluir, quebrar antigos condicionamentos que não sigam o caminho da empatia e da colaboração e absorver estes novos valores.

 

Defina expectativas, ensine, dê autonomia, confie e responsabilize as pessoas. Assim, você não apenas está evoluindo como profissional e se tornando realmente líder, como também está construindo uma equipe e uma empresa verdadeiramente escaláveis.

 

Para aprender mais 

Essa jornada nunca acaba, seu próprio caminho está esperando. Então, divido com você as duas leituras que me influenciaram muito:

 

  • Leading Snowflakes - O objetivo deste livro é ajudar gerentes de engenharia ou aspirantes a se tornarem mais eficazes na liderança técnica de engenharia de software, melhorando sua capacidade de comunicar, colaborar, delegar e inspirar outras pessoas.

 

  • Faster, Faster: The Dawn of Lean Digital - Este livro ilustra a jornada da CI&T no desenvolvimento e evolução da articulação entre o pensamento Lean, a metodologia Agile e o Scrum, culminando na criação do modelo Lean Digital, sua cultura e suas práticas de operação, gestão e liderança. Você pode baixá-lo gratuitamente no link.