Este site usa cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao continuar e navegar pelo site, você aceita o uso de cookies.

Para informações completas, consulte nossa Política de Privacidade.

Como criar valor de negócio desenvolvendo produtos digitais de sucesso

Por: Jeancarlo Cerasoli

Como criar valor de negócio desenvolvendo produtos digitais de sucesso
Posted on Jun 28, 2017

Em um contexto no qual as “grandes ideias” perdem para as “ideias certas”, transformar o modelo de atuação e ouvir o consumidor em primeiro lugar é decisivo para o êxito de sua empresa.

 

O segredo para entender o consumidor é saber identificar as suas necessidades. Essa premissa soa um tanto óbvia, mas a conclusão a que se chega a partir dela não parece estar muito clara para o mercado que ainda concentra esforços em “grandes ideias” antes de saber o que seu cliente realmente quer. A possibilidade de acertar na hora de desenvolver produtos e serviços digitais sem conhecer seu público-alvo profundamente, observá-lo e acompanhá-lo em suas constantes mudanças, é mínima. E se - por acaso - a iniciativa der certo, ela não se sustentará a médio prazo porque falta essa conexão com as pessoas e suas necessidades reais. Os desejos a serem atendidos hoje, logo serão outros.

Tendo essa compreensão, para ter sucesso no ambiente digital, as empresas precisam atuar em duas frentes diferentes. Primeiro, repensar sua forma de funcionar e suas ações, não pela perspectiva do negócio, mas a partir das necessidades de quem vai consumir suas ofertas. Depois, buscar a agilidade e a velocidade por meio da elaboração de protótipos - ou soluções digitais pequenas - para testar e validar junto ao seu público antes de desenvolver o produto final. Esse modelo de operação - destacado por Eric Ries no best seller The Lean Startup - é exatamente o que vem encontrando os melhores resultados e sacudindo o mercado.

 

 

eBook Lean Way to Digital Success

 

 

Para conquistar essa forma de atuação, é necessário uma mudança cultural, uma mudança de mindset em direção a um novo modelo de negócios digital que equilibre melhor os objetivos comerciais, as possibilidades técnicas e as necessidades dos consumidores - orientando o desenvolvimento de soluções individuais e até mesmo todo o portfólio de soluções a partir desta tríade. Porque, enquanto empresas 2.0 - agarradas aos seus formatos e nichos antigos - começam a cogitar modificar as ofertas apenas quando percebem que elas estão defasadas, as ágeis startups entregam uma solução inovadora praticamente no momento em que surge uma nova necessidade.

 

Novo mindset do modelo de negócios digital

 

Um grande exemplo


Uma boa história sobre o quanto conhecer e ouvir os clientes pode ser a chave para a descoberta de produtos de sucesso e até de um novo caminho de um negócio é a da Netflix. Criada nos EUA em 1997 por Reed Hastings e Marc Randolph, a empresa começou, sem muito sucesso, como um site de locação de DVDs com entrega via correio. Nessa altura, contando 925 títulos, além do aluguel, cobrava taxas de atraso. Percebendo o descontentamento dos consumidores que queriam permanecer mais tempo com alguns filmes, matou a multa e criou uma assinatura mensal sem restrições de quantidade e período desde que se locasse um DVD por vez. A novidade foi muito bem recebida.

Um ano depois, já com um catálogo de 11 mil títulos, atendeu a uma nova demanda dos assinantes e criou um sistema de recomendação personalizada, consolidando o mindset de olhar para as necessidades dos clientes em primeiro lugar, corrigir falhas rapidamente e inovar constantemente. Em 2007, outra grande mudança: iniciou o serviço de transmissão online para conseguir entregar mais e mais rapidamente e, em seguida, ampliou as plataformas que poderiam transmitir conteúdo online para os consoles de games, TVs, tablets e smartphones.

O resto do case, todos conhecem. Hoje, a Netflix não apenas vende e aluga títulos online, como também oferece conteúdos próprios de altíssima qualidade. Com mais de 100 milhões de assinantes no mundo, a empresa tornou-se um gigante da mídia.

 

Como desenvolver essa forma de pensar o produto centrado no cliente

Alcançar esse novo patamar - com o consumidor no foco do desenvolvimento de um produto digital de sucesso - de uma forma realista em termos de budget, tempo, conhecimento e mão de obra disponível, é uma tarefa complexa.

Para nós na CI&T, a solução da equação veio com uma soma de métodos e conceitos. A filosofia Lean estruturando a base da estratégia de negócios - além de suas ferramentas para promover a cultura da velocidade com alta qualidade e o mínimo de desperdício; os processos de Design Thinking para sustentar o foco nas pessoas e garantir entregas inovadoras alinhadas aos desejos do consumidor, e o Agile como metodologia de desenvolvimento de softwares.

 

União Lean com Design Thinking e Agile

 

Com essa combinação, desenvolvemos o que chamamos de Lean Digital Model, que - não à toa - vêm a ser os frutos e combustíveis do nosso modelo de transformação digital, o Lean Digital Transformation, um formato seguro, organizado e gradual de transformação da empresas.

Para aprofundar um pouco mais à respeito de como acontece essa orquestração de metodologias na prática para a construção de produtos de sucesso, dividimos o processo em quatro grandes passos descritos a seguir.

 

Fluxo para a construção de produtos digitais de sucesso

 

1. Definir a estratégia

Após ter clareza à respeito do objetivo ou do modelo de negócio digital que se quer atingir, é necessário definir a estratégia para alcançá-lo. A melhor forma de fazer isso é por meio da ferramenta do Lean que se chama A3. O A3 é, basicamente uma ferramenta de solução de problemas com duas frentes: De um lado, o diagnóstico. O que está acontecendo, quais são as causas do problema? Por que não estamos satisfeitos com o que estamos entregando? Por que os consumidores não estão satisfeitos com o que estão recebendo? Do outro lado, uma visão de prognóstico: o que a gente pode fazer para melhorar? Essa ferramenta de construção de consensos tem um enorme poder de conduzir as pessoas rapidamente à clareza em relação às ações e estratégias que devem ser empregadas.

 

2. Priorizar os projetos que estão alinhados à nova estratégia 

Esse é o momento de colocar os pés no chão e não perder o rumo começando projetos do zero para atender à nova estratégia. Para que a mudança seja sustentável, é necessário remodelar pouco a pouco o que já se tem de forma realista e consistente. É muito comum que grandes empresas, em função da lentidão dos processos tradicionais, tenham centenas de projetos na fila de desenvolvimento de suas áreas de TI ou na mesa de seus parceiros de soluções digitais. É hora de avaliar quais entre todos eles estão mais alinhados aos novos objetivos de negócio e, destes, identificar os que são capazes de gerar mais valor para o consumidor e, consequentemente, mais resultados para a empresa. É por esses que vamos começar a trabalhar.

 

3. Formar times preparados para o novo desafio

Inspirados no formato criado pela Spotify, dividimos as equipes em squads que têm como propósito o desenvolvimento de um produto específico. Cada um desses times é multidisciplinar, formado por diferentes perfis e posições na companhia - C-Level, gerência e operação - dedicados à solução técnica, à experiência, à estratégia e ao Analytics com intuito de garantir a melhor entrega.

Como os squads montados pela CI&T visam produzir soluções digitais para nossos clientes, aos times descritos acima, somam-se profissionais de TI e de marketing de níveis hierárquicos equivalentes dessas empresas. Esse modelo de cocriação, além de trazer o ponto de vista do dono do produto final para dentro do desenvolvimento do projeto, assegura que o resultado seja o melhor e mais surpreendente para o consumidor e esteja alinhado aos objetivos do negócio.

Trabalhando juntos, em colaboração, com um foco claro, os especialistas dividem conhecimentos, vivências e diferentes perspectivas sobre uma solução em busca do produto ótimo. Com a prática constante desse novo jeito de atuar voltado para a empatia, a colaboração, a busca coletiva pela perfeição, essas equipes transformam o seu mindset. Assim, muito além de conquistar os resultados desejados na produção, os nossos squads acabam por ser os maiores promotores da mudança cultural dentro das empresa clientes, polinizando esse novo modo de pensar nas organizações.

 

4. Desenvolver produtos de sucesso

Com os squads formados e identificado o projeto que gerará mais valor para o consumidor, é hora de partir para a produção dessa solução - seja um site, um app, um e-commerce - em um formato MVP (Produto Mínimo Viável - ou a menor unidade que permite atacar e resolver o problema do usuário com alta qualidade no menor espaço de tempo e com o menor esforço possível).

Aqui não nos referimos a fazer teste de conceito às cegas no mercado para ver no que dá. Estamos falando em construir soluções digitais pensadas com base em dados sobre o consumidor e suas dores, colocá-las nas mãos dele e ouví-lo tantas vezes quantas for preciso. Para alcançar o sucesso, é inevitável e necessário errar rápido, muitas vezes, e ir aprendendo com os resultados, feedbacks e Analytics para aprimorar o produto - e a experiência ligada a ele - e tentar novamente até chegar ao acerto consistente. Depois, repetir o ciclo, sempre acompanhando o cliente final em constante transformação.

Essa forma de operação usa os já citados princípios do Lean - em especial os ciclos curtos de desenvolvimento e melhoria contínua, redução de desperdícios e produção puxada pela demanda das fases posteriores - além do uso de métodos ágeis. Esse conjunto de práticas permite entregas rápidas e eficientes, além de sua otimização constante de forma incremental.

Mas vale destacar que de nada adiantará desenvolver ofertas excelentes e experiências surpreendentes se não houver uma comunicação eficiente, pois o sucesso do produto estará intimamente ligado ela. Ou seja, a estratégia de marketing também deve estar muito alinhada ao objetivo do negócio e ser constantemente retroalimentada por análise de dados para medir sua eficácia, planejar novas ações e corrigir rumos rapidamente, numa visão holística e integrada do produto.

 

Rumo ao novo mercado

Seguindo esses passos estruturados, buscando conhecer o consumidor, descobrindo a estratégia que se adeque ao que ele pede, começando pequeno, trabalhando com o formato de squads e focado na melhoria contínua, a empresa estará apta a identificar as ideias certas e desenvolver produtos de sucesso. E por meio desses processos, gradualmente, será possível polinizar a cultura que se deseja, o novo mindset que proporcionará a transformação do modelo de negócios digital para vencer no novo mercado.