Comunidades: Como ampliar seu networking sem sair de casa

Por: Vinícius Lucas

Foto de uma tela de um computador, com a foto de várias pessoas em vídeo chamada, e em desfoque na lateral direita, está a visão de perfil de uma mulher com uma das mãos levantadas.
Posted on Aug 13, 2020

O que você vai ler aqui: 

  • Comunidades potencializando pessoas 
  • Mantenha a conexão e atuante no ambiente digital 
  • Encontre sua tribo 

 

Sempre fui um apaixonado promotor das comunidades de tecnologia, tanto por elas serem incríveis meios de compartilhamento de conhecimentos e de criação de relações com quem divide os mesmos interesses que você, quanto por seu poder de potencializar o desenvolvimento das pessoas. Com o forte viés de colaboração, trocas de saberes sobre novas ferramentas, novas práticas e processos, de aproximar mestres e aprendizes e foco em ampliar e fortalecer o coletivo, essas comunidades acabam sendo centros de efervescência de ideias e criatividade, de ampliação de oportunidades e trabalho e crescimento para as pessoas.



Inclusive, já falei deste tema no meu artigo sobre comunidades exponenciais. Naquele artigo, o foco era o valor das comunidades de tecnologia para as companhias. Apoiando o ecossistema de comunidades da área, promovendo os eventos e recebendo grupos de meetups, as empresas estimulam seus colaboradores e colaboradoras a atingirem o seu melhor e, consequentemente, impulsionam a si mesmas. Isso porque quem está inserido no ambiente das comunidades constantemente recebem o impulso a se empoderar, a alcançar o seu potencial máximo, a dividir informações e a buscar a evolução. Pessoas com essas características fazem ambientes de trabalho mais ricos, colaborativos e mais capazes de aprender, de inovar e gerar impactos.



Não é à toa que locais de alta concentração de startups, como o Vale do Silício, são tão abertos a trocas de informação. Companhias como o Google, a Netflix, a Amazon têm as portas abertas para compartilhar, para inspirar. Como disse meu colega Daniel Viveiros, CTO da CI&T, em um recente webinar interno sobre o tema das comunidades, no mundo globalizado, somos parte de um ecossistema, e o nosso papel, nesse cenário, é o de criar, adquirir conhecimento valioso e dividi-lo para que todos possamos crescer com isso

 

"A gente sofre de excesso de informação. E as comunidades têm um papel muito importante neste cenário, que é o de guiar você para o que vale a pena dentro dessas informações. Assim você, de verdade, vai conseguir aprender e entender os contextos nos quais o que você busca está sendo aplicado e conseguir crescer com isso."

Daniel Viveiros, CTO

 

Comunidades e networking no novo cenário


As comunidades, assim como o networking profissional em geral, sempre foram muito baseadas em encontros presenciais. Em ações nas companhias, palestras, eventos, dividindo desafios nos hackathons, o contato físico sempre teve um papel forte e central para as trocas de conhecimento, para os aprendizados. O online estava presente para os meetups, como apoio, um ambiente mais frio que é mais um meio de continuar aprendendo e ensinando e de manter as redes de relações criadas nos eventos.



Tanto que, no início da necessidade de distanciamento social pela qual estamos passando em virtude da pandemia, eventos foram cancelados ou adiados e não se sabia como seria manter as dinâmicas das comunidades sem as presenças físicas, unicamente no online. A ideia geral era que o período iria refrear a efervescência criativa e de ideias e as ligações entre as pessoas. Mas, felizmente, não foi o que aconteceu.



Houve inúmeros ganhos. O que, antes, era visto como barreira caiu. Caíram barreiras emocionais, aproximando as pessoas de suas referências nas mais diversas áreas. O meio reduziu a hierarquia, tirou o palco e ligou mais diretamente mestres e aprendizes, palestrantes e seu público. As pessoas se tornaram ainda mais próximas, e o que víamos como a frieza do online adquiriu outro sentido, já que, hoje, acostumamo-nos a intermediar relações por esse meio, seja no trabalho, com familiares e com amigos. As conversas online são o que temos.



Além disso, caíram barreiras geográficas. Antes, as pessoas buscavam eventos que ocorressem nas suas cidades e regiões. Hoje, você pode participar de uma comunidade ou entrar em contato com pessoas excepcionais em sua área, que o inspiram, estejam elas onde estiverem. O novo cenário nos deu a oportunidade de ampliar a lógica das comunidades, passar do local para o global e expandir fronteiras de maneira muito inclusiva.



Falando em inclusão, estamos em um momento rico para amadurecer e aprender a criar comunidades, com eventos online cada vez melhores. Um exemplo é o crescente olhar para a acessibilidade a públicos diversos. Alguns eventos ou palestras, por exemplo, adicionam legendas utilizando ferramentas com closed caption para as pessoas que têm dificuldades de audição. E speakers descrevem-se incluindo características físicas para ampliar e melhorar a experiência de pessoas com deficiência visual. 

 

Inclusive, outro ganho é que muitas pessoas que não eram acostumadas ao universo das comunidades estão entrando agora. Isso porque o novo contexto digital, ainda mais veloz, está forçando as pessoas a adquirirem rapidamente conhecimento sobre diversos assuntos, sejam melhores práticas de trabalho e processos online, seja aprender sobre alguma ferramenta ou tecnologia específica. Buscando pessoas que conhecem esses temas, estamos descobrindo essa incrível forma de dividir, adquirir e desenvolver conhecimento. 

 

Como encontrar sua tribo 

O meu primeiro contato com as comunidades, fora as mídias sociais mais conhecidas, como Facebook e Twitter - que têm seus grupos por interesses comuns -, foi a plataforma meetup.com. A forma de criação e expansão do conhecimento coletivo me inspirou muito, então, iniciei buscando temas que me interessavam e embarquei nesse mundo. 

 

Mas como existem inúmeros grupos e comunidades sobre os mesmos temas, um dos melhores filtros é perguntar para z. Tenha sempre em mente, também, que as comunidades criadas pelos propósitos mais genuínos de trocas generosas com o intuito de fortalecer o ecossistema são os espaços nos quais você vai sentir mais segurança. Então, sinta o clima e o valor das conversas e das trocas e fique onde fizer sentido para você, na tribo em que você se sentir confortável. 

 

Fomente as comunidades em sua companhia 

Entendendo todo esse potencial que as comunidades trazem, não apenas para ampliar seu conhecimento e suas habilidades individuais, mas também para fazer com que sua companhia seja mais capaz de gerar impacto, ajude a promover o engajamento de colegas e lideranças nas comunidades. Descubra boas fontes de informação e trocas sobre os desafios e ferramentas que fazem parte do dia a dia de sua empresa e de sua equipe de trabalho e passe a informação adiante. 

 

É interessante, também, reunir pessoas com conhecimentos e interesses em comum e criar grupos para divulgar aprendizados da empresa interna e externamente. Ao dividir esses conhecimentos, você está ajudando a dar visibilidade e valorizando profissionais, promovendo e divulgando a cultura da companhia e atraindo perfis interessantes. Muitos são os casos de pessoas da CI&T que nos conheceram em meetups, encantaram-se com nossa forma de trabalhar e entraram em nossos processos seletivos. 

 

Converse com colegas e líderes, sensibilize as pessoas mostrando o valor de expandir a rede de conhecimento e, assim, você estará ajudando a amplificar o poder do ecossistema de comunidades de tecnologia. 

 

Dicas de livros para entender mais sobre o poder das comunidades


Por fim, deixo algumas dicas de livros que foram importantes para que eu compreendesse o poder das comunidades para o desenvolvimento das pessoas e das companhias. 

 

- Organizações exponenciais, de Michael S. Malone, Salim Ismail e Yuri VanGeest. Este livro mostra o poder das comunidades para alavancar as organizações. Da editora HSM. 

- How Google Works, de Eric Schmidt e Jonathan Rosenberg. Esta obra fala de contexto organizacional com viés de colaboração, comunidades e empoderamento de pessoas para gerar ambientes mais criativos e inovadores. 

- Powerful: Como construir uma cultura corporativa de liberdade e responsabilidade, de Patty McCord. Este fala que equipes que atuam com mais liberdade e responsabilidade são a maior força que uma empresa pode ter.