Faça parte da mudança (para não ser engolido por ela)

Por: Time CI&T

Foco nas mãos de uma pessoa que usa o celular para realizar uma marcação na agenda
Posted on Aug 24, 2020

O que você vai ler aqui: 

  • Adaptação e produtividade no trabalho remoto 
  • O novo papel do profissional de TI diante dos desafios atuais 
  • O que esperar do futuro 

 

A transformação digital já estava em marcha quando foi impulsionada pela realidade impositiva da pandemia. Contudo, não é apenas com o modo de operar - que sofreu impactos importantes e possivelmente perenes - que as companhias devem se preocupar. 

 

Em recente podcast sobre adaptabilidade, produtividade no trabalho remoto e o que esperar do futuro, Giuliano Borro, Diretor de Tecnologia e Operações da Mitsui Sumitomo Seguros, e Gílson Gaseorowski, nosso Business Director, conversaram com nosso CSO, Bob Wolheim, sobre o tema. 

 

A Mitsui faz parte do maior grupo segurador do Japão e um dos maiores do mundo, atuando em segmentos como financeiro, imobiliário, eletrônico, mineração, construção, telecomunicações e agroindústria. Toda a tradição do grupo, construída ao longo de mais de um século de atuação no Japão, carregava consigo algumas culturas preciosas aos orientais, como a relação olho no olho. 

 

A holding japonesa rapidamente se moldou às necessidades impostas pelo isolamento social, readequando suas equipes para que atuassem a distância. E, nos últimos meses, pôde constatar que o olho no olho não precisa, necessariamente, da presença física para acontecer. 

 

Com um time integrado e com forte senso de colaboração, a Mitsui registrou um aumento de produtividade significativo: ao menos 15%, especialmente em áreas operacionais, como emissão e conferência. 

 

“Sinto que a comunicação melhorou entre os times e entre as pessoas, tornou-se mais fluída. As ferramentas para transmitir, compartilhar conteúdos e gravar reuniões propiciam algo que, mesmo com o olho no olho, não tínhamos: inserir pessoas, ter reuniões no horário, ter uma comunicação mais efetiva.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

Os avanços foram tão significativos que geraram impactos duradouros na companhia, que seguirão sendo percebidos mesmo após este período. 

 

“Em uma empresa tradicionalíssima, jamais imaginamos um home office. Hoje, estamos reformando todos os prédios para instituir esse modelo oficialmente. Essa é uma realidade que veio para ficar. Existia uma visão de que, se não estivesse na empresa, não estaria produzindo. Estamos provando o contrário.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

Na CI&T, o trabalho de cocriação sempre envolveu um ambiente colaborativo e bastante tátil. A preocupação inicial era como promover uma experiência remota equivalente. Aos poucos, percebemos que a nova dinâmica de trabalho contribuiu para a quebra de silos e a diluição da visão hierárquica

 

“As ferramentas colaborativas remotas deram voz para algumas pessoas que não se sentiam à vontade para escrever um post-it, levantar e ir colar na parede. Agora, de forma um pouco mais anônima, mas em um board compartilhado, elas começam a se projetar, abrir-se para isso. O que era uma preocupação, no início, virou até um certo alívio, conforme fomos aprendendo com as novas ferramentas. A parte profissional e de organização do trabalho, conseguimos substituir bem.” 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

Mudanças no papel do profissional de tecnologia 

Como viabilizar ou facilitar as necessidades que o negócio exige de uma forma cada vez mais rápida? A pandemia ressaltou a necessidade dos profissionais de TI serem mais do que capacitados tecnicamente, mas alinhados com o planejamento estratégico da companhia. 

 

“O papel já vinha mudando antes da pandemia. O clássico profissional de TI está morto. O que evoluiu foi nossa preocupação em relação à segurança, já que sabemos que ataques vêm aumentando exponencialmente. A disponibilidade de sistemas em um país em momento de pandemia e que está implementando a LGPD agora, isso tudo é complicado de orquestrar. O profissional de tecnologia tem que ter esse conhecimento técnico e precisa colocá-lo em prol do negócio.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

A volatilidade do mundo atual e a quantidade de mudanças decorrentes dela tornaram muito difícil prever cenários. Ter um propósito claro é a forma mais eficaz de lidar com as incertezas. 

 

“A maior mudança é a velocidade da mudança. Todo dia, você precisa estar aberto, disposto e conectado com o negócio para dar as respostas que ele exige.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

Os modelos tradicionais de tomada de decisão já não são suficientes para contemplar as inúmeras variáveis de um mercado marcado pela conectividade, interdependência e complexidade. Assim, a pandemia impulsionou esse novo momento da TI, em que a área deixa de ser exclusivamente técnica e passa a ser vista como parte do core business. 

 

“Existia uma vontade dos profissionais de tecnologia de mostrar que a área precisa estar em tudo. Com a digitalização, a tecnologia precisa ser mais pervasiva. Esse momento novo contribuiu para a aceleração disso. Independentemente da área de negócio, a companhia não está conseguindo avançar mais sem esse apoio. Serve para quebrar a visão de que existe negócio e existe tecnologia, para construirmos o que chamamos de business technology.” 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

Humanização da tecnologia 

Tecnologia e humanização parecem estar em lados opostos, mas não devia ser assim. As empresas mais ágeis já compreenderam que não se trata apenas de uma solução para procedimentos burocráticos e repetitivos, mas é possível usar a tecnologia em prol de um cuidado empático com o cliente. 

 

Usamos tecnologia para gerar valor para quem paga a conta: o cliente. Usávamos muito a tecnologia com a visão de redução de custo, melhoria operacional. Só isso, num mundo em que consigo personalizar um produto, não é mais aceitável.”

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

A discussão reforça a centralidade do humano neste cenário, para quem e por quem a tecnologia deve estar a favor. 

 

“Cada vez mais, a tecnologia avança para dar esse lado humanizado, customizado ou personalizado, que é o que os clientes procuram. Independentemente se por trás, eu tenho uma máquina ou um atendente, essa relação de proximidade é que faz a retenção e a venda de novos produtos.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros


 

Avanços e lições 

Sob o ponto de vista do cliente, o atendimento mais próximo e com atenção às suas necessidades está diretamente relacionado à confiabilidade da empresa. Em tempos de desafios, esse cuidado se mostra ainda mais importante. 

 

“Processos de vistoria que eram totalmente dependentes de um parceiro, migramos para o digital. Destravou muitos medos. Criamos formas de pagamento, dando três meses de carência para o segurado, mudamos o cancelamento por inadimplência, flexibilizamos várias coisas, entendendo esse modelo. Compreendemos o momento pelo qual todos estamos passando.” 

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

“Quando falamos de time de desenvolvimento, a adoção [do home office] foi mais simples. Foi mais um passo para confortar os clientes de que nossa ausência nos escritórios seria rapidamente suplantada por uma permanência maior no ferramental.” 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

Na outra ponta, os colaboradores também experimentam mudanças significativas, em um contexto que requer adaptação e maleabilidade para conciliar vida profissional e pessoal. 

 

“As pessoas ganharam em qualidade de vida, em alguns aspectos. Era comum perder horas no trânsito, que, hoje, se convertem em produtividade. O lado do aprendizado, é como encaixar os períodos de break nos períodos intensos de reuniões conectadas. O aprendizado é como a gente cria esses momentos de respiro, como fazer desse trabalho algo emocionalmente saudável." 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

Daqui para frente 

Os novos horizontes serão pautados por uma cultura mais permissiva em relação à experimentação, bem como para o aprendizado constante e a melhoria contínua. Ao mesmo tempo, fica a percepção de que essa transformação não aconteceu somente com as companhias, mas também com seus colaboradores e consumidores. 

 

“Hoje, cada dia é um dia diferente. A capacidade de entender o que está acontecendo e ajustar o seu negócio veio para ficar. Para quem não entender isso, vai ser difícil de sobreviver.”

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

Afinal, quando as incertezas são as únicas certezas que podemos esperar, ampliam-se as formas de interpretar e analisar os contextos. Assim, é preciso flexibilidade e coragem para lidar com a complexidade. 

 

“Estou entendendo, consigo aprender e reajo com o meu negócio o mais rápido possível. Isso dá o conforto de que, independentemente do que está por vir, temos uma capacidade de aprender e mudar os nossos processos, produtos e serviços em função da necessidade que vem pela frente.”

Giuliano Borro, Diretor da Mitsui Sumitomo Seguros

 

“O work from everywhere abre para as empresas a oportunidade de, de fato, contratar os melhores profissionais, não mais só da minha cidade ou região. Ainda, se o meu profissional tem o sonho de viver fora do país e eu tenho a possibilidade de fazer um processo de expatriação, sei que isso não vai mudar em nada. Se esse profissional é importante para a minha organização, não vou correr o risco de perdê-lo.” 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

A verdade é que as mudanças são inevitáveis, e resiliência é palavra de ordem para lidar com elas. É essencial colocar o cliente no foco dos esforços e trabalhar na criação de uma cultura de compartilhamento, seja em um ambiente físico ou em uma vivência remota. 

 

“Não se compara mais um produto com outro do mesmo segmento. Compram-se experiências. As pessoas são mais tecnológicas, hoje, e sabem que o tempo de colocar uma feature a mais pode ser rápido. Isso vai ficar marcado para o futuro.” 

Gílson Gaseorowski, Business Director da CI&T

 

Para ouvir esse podcast na íntegra, aprender mais sobre esse novo mundo e ter informações sobre ferramentas e metodologias para acelerar o processo de transformação digital da sua empresa, ouça os demais podcasts no nosso canal no Spotify e conheça nosso blog