Mindset de protagonismo: o poder da escolha na era digital

Por: Joceline Seixas e Taliza Weiss

Mindset de protagonismo: o poder da escolha na era digital
Posted on Jan 10, 2020

O que você vai ler aqui:

 

  • Por que falar de protagonismo é tão importante na era digital 

  • Os três pilares que sustentam a mudança de mindset

  • Como criar o real poder de escolha para as pessoas e para a companhia

 

Estamos na era digital, na qual as constantes mudanças no ambiente de mercado e no comportamento das pessoas - cada vez mais imediatistas no consumo e em busca de um propósito que dê sentido à sua jornada - têm dado outro rumo às atividades e relações. Sentimos na pele e nas nossas rotinas essas transformações ocorrendo de forma veloz. Porém, em grande medida, falta ver esses movimentos sendo tratados com atenção nos ambientes de trabalho. Ainda é comum observar corporações com um ultrapassado mindset paternalista, com processos obsoletos e práticas de feedback engessadas. Ao que tudo indica, esses modelos de operação estão com os dias contados.

 

Os processos corporativos tradicionais não estão conseguindo atender às expectativas das pessoas que fazem exigências novas, que querem mais transparência e autonomia nas empresas e que priorizam o equilíbrio entre pessoal e profissional. É urgente que as empresas comecem a se preparar para esse novo cenário, pois já em 2020, 50% da população será da geração que cresceu com o digital, formada por idealistas, com hábitos pessoais e profissionais completamente diferentes das gerações anteriores.

 

É necessário que as lideranças se reinventem e aprendam novas competências para acompanhar essa evolução. Palavras como transformação, agilidade, impacto e protagonismo, que ouvimos todos os dias dentro das empresas, devem deixar de ser apenas conceitos, para tornarem-se ações, pois só assim as companhias terão condições de seguir em frente no ambiente digital. 

 

Com esse foco, estamos na CI&T há alguns anos em plena jornada de transformação dos nossos processos corporativos da área de pessoas. Com forte embasamento em estudos, experiências e no "aprender fazendo", construímos ao lado de clientes - as próprias pessoas que trabalham na CI&T-,  ambientes laborais, práticas e formas de trabalhar cada vez melhores. 

 

Recentemente, provocadas a trazer ações de impacto veloz, mas sem perder de vista a humanização das nossas lideranças, começamos uma profunda transformação dos processos de carreira para essa camada. Assim, nasceu um framework de apoio de jornada de evolução das lideranças voltado para o fortalecimento do protagonismo

 

Logo, identificamos a necessidade de nos aprofundarmos nesta experiência e passar por esse processo para sentir na pele o que as pessoas passariam. Assim, uma de nós, no caso a Joceline, vestiu a persona de colaboradora e iniciou a sua jornada de transformação.Agora, compartilharemos os principais aprendizados da jornada neste artigo. 

 

Os três pilares do mindset de protagonismo

Focando no olhar para a carreira em tempos digitais, criamos uma equação que representa os pilares para o desenvolvimento do mindset de protagonismo:  Eu + outros + empresa. Isso porque, por inúmeras vezes nos modelos tradicionais de avaliação, percebemos que o "eu" tem um papel muito passivo. Funciona assim: as lideranças olham as carreiras de seus liderados e lideradas, sem considerar as características individuais, fazendo-o de cima para baixo. Cabe ao colaborador ou colaboradora apenas aguardar o feedback e a avaliação pronta, se adaptando às críticas e sugestões para continuar o trabalho. 

 

Primeiro pilar: Eu

Para esse novo olhar do protagonismo, o "eu" precisa ser empoderado. Por isso, escolhemos o nível pessoal como o primeiro elemento da equação. Para amadurecer esse novo caminho de encontro do eu, é preciso algumas ferramentas de desenvolvimento. São elas:

 

Saber quem é o "Eu" 

Muitas pessoas acham que o profissional deve ser separado do pessoal, mas não acreditamos nessa abordagem. O ser humano é um ser único, o que acontece na vida fora da companhia impacta direta ou indiretamente o trabalho da pessoa e vice-versa. Por isso, no pilar do “eu”, incentivamos, preparamos e oferecemos ferramentas para que a pessoa faça um profundo exercício de autoconhecimento. O quem eu sou é o momento de se conectar consigo mesmo

 

Neste processo, a pessoa deve olhar para si, identificar quais são seus valores, forças, propósito e aspirações. Tudo isso convergindo o olhar pessoal com o da empresa em que atua.

 

Na experiência pessoal da Joceline em rodar este processo, como já mencionado, ela deixou de lado a persona da empresa, do RH que ajudou a criar e gestacionar esse processo, para dar lugar à persona da colaboradora que encarou todas as etapas de desenvolvimento. Desde o início, ela se deparou com um desafio: conciliar a agenda de trabalho com algo mais pessoal. Ao perceber que priorizava a agenda habitual às reflexões e uso das ferramentas que eram necessárias para realizar o processo, ela sentiu como era difícil para líderes pararem para fazer esse exercício. Naquele momento, teve um insight: era preciso encarar o processo como parte fundamental do trabalho. Assim, ela organizou espaços na agenda para resolver isso com seriedade. 

 

 

Segundo pilar: Outros


No pilar "Outros" é importante estimular a pessoa a pensar sobre que tipo de experiências está gerando nas outras pessoas. Depois de olhar sua contribuição para as demais, é necessário seguir alguns passos:

 

  1. Olhar 360º

Diferente de um modelo anterior onde já havia um procedimento, um pacote de feedback pronto, nesse passo a pessoa vai ser incentivada a definir quais são as perguntas importantes para o seu crescimento e a olhar pares, liderados e líderes com uma visão 360º. Aqui será necessário contar com a ajuda de outras pessoas para fazer essa avaliação, mas é missão individual colher os feedbacks e ouvir os outros. 

 

Será preciso se preparar, pois nem sempre será fácil. Será necessário entender o momento como uma oportunidade de melhoria e como um presente da outra pessoa, que está cedendo o tempo dela para apoiar o seu processo.  

 

  1. Realizar Feedback contínuo

A importância de um feedback sincero e construtivo está cada vez mais evidenciada. Não é apenas em um momento do ano que você vai colher essas informações, é no dia a dia. Apenas com um feedback contínuo é possível garantir o timing dos ajustes que precisam ser feitos e acelerar a evolução pessoal.

 

  1. Praticar a escuta ativa, sem julgamento

Para que os feedbacks realmente gerem resultados efetivos, existe uma habilidade que temos estimulado muito nas pessoas que é a escuta ativa, sem julgamentos. Ela é fundamental. pois assim a pessoa estará aberta ao que a outra tem para lhe oferecer, seja uma sugestão de melhoria ou um aprendizado que se faz necessário. É importante ter sempre em mente que o feedback deve ser olhado como um presente, algo que vai agregar valor para o seu desenvolvimento.

 

  1. Buscar auxílio externo

Depois de passar por todas as etapas do pilar “outros” e escutar ativamente todas as avaliações, percebendo o que é necessário mudar, a pessoa pode procurar apoio para acelerar seu desenvolvimento na carreira. Pode ser um coaching, um mentoring ou um curso que, de fato, vá ajudá-la.


 

Terceiro pilar: empresa


Quando a empresa entra na equação, ela traz todas as expectativas alimentadas para o "eu". Neste momento, a companhia soma-se ao protagonista e não se contrapõe a ele. Aqui, precisamos levar em conta três fatores: Quais são as expectativas corporativas? Como são as missões futuras? Qual é o "campo de jogo"?

 

Depois, é a vez da pessoa avaliar se os valores da companhia conversam com os dela, como ela imagina a sua evolução e o quanto ela é feliz no trabalho. Essas dúvidas sempre estão presentes em nós, mas nunca paramos para resolvê-las, pois estamos sempre com foco nas urgências do dia a dia. Porém, somente a partir de um olhar verdadeiro sobre essa relação empresa e pessoa é possível responder a nós mesmos e decidir seguir em frente.

 

Depois de avaliar em profundidade esses três pilares, a pessoa deve buscar suas lideranças para apresentar-se, por meio de suas reflexões e conclusões, e ouvir o outro lado. 

 

 

Prepare sua empresa para esta jornada de transformação

 

O fato de ser protagonista de sua evolução de carreira faz com que a pessoa se sinta mais empoderada e com poder de escolha. Além disso, o processo mantém o poder de escolha da empresa também, ampliando sua consciência sobre aquela pessoa e sua relação com ela.

 

Outro ponto fundamental é que os resultados podem explicitar problemas profundos da relação da pessoa com a empresa. Aqui também o resultado é positivo, já que abre caminho para resolver questões que já existem. Porém, os dois lados precisam se preparar para ter essas conversas mais difíceis. Pessoas com mais autoconhecimento e empresas capacitadas facilitam a convergência também nesses casos.

 

É importante reforçar aqui que esse processo de geração de mindset de protagonismo deve ser cíclico e contínuo, já que a jornada de evolução é permanente. Ela nunca estará totalmente finalizada, pois cada pessoa e empresa são únicos e precisam encontrar seu propósito juntas. 

 

A sua empresa está preparada para esta nova geração que anseia sentido naquilo que faz? Comece a pensar nisso e construa ambientes e processos que tragam valor para suas pessoas, que as ajudem a se empoderar de suas carreiras e as motive a gerar cada vez mais impactos positivos para si, colegas e para os negócios.