O que é inovação disruptiva?

CI&T Team

O que é inovação disruptiva
Posted on Jan 15, 2019

Criar modelos de atuação e um novo mercado de consumidores, impactando as empresas líderes no setor, é o que caracteriza a inovação disruptiva.

 

 

Ser inovador nada mais é do que criar algo novo. Uma ação que modifica antigos costumes, manias e processos e busca a renovação ou criação de uma novidade. Nesse mesmo sentido, caminha a definição de “disrupção”. Ser disruptivo é interromper o seguimento normal de um processo. Ou seja, aquilo que tem capacidade para romper ou alterar os padrões adotados por um mercado ou indústria. Quando juntamos essas duas definições, entendemos por que disrupção é a palavra mais citada quando se fala sobre inovação.

 

A história da inovação disruptiva

A teoria da inovação disruptiva surgiu na década de 1990 e foi desenvolvida pelo professor da Harvard Business School, Clayton M. Christensen, em sua pesquisa sobre a indústria do disco rígido. O termo “inovação disruptiva” apareceu pela primeira vez em um artigo de 1995, Disruptive Technologies: Catching the Wave. e se popularizou com o seu livro O Dilema do Inovador, publicado em 1997.

O professor Christensen, além de transformar o termo em inglês “disruptive”, na época considerado negativo, e torná-lo uma das palavras mais conhecidas e repetidas no mundo empresarial de hoje, explica o fenômeno da inovação não como uma ação imediata, mas como um processo que se estende no tempo. Segundo ele, esse fenômeno pode ser traduzido como o poder que uma marca tem de provocar mudanças severas em uma indústria ao introduzir um novo conceito ou valor de negócio, ao criar um novo mercado de consumidores e impactar as empresas líderes no setor, tornando produtos e serviços mais interessantes do ponto de vista de consumo.

 

“Inovações disruptivas são aquelas que provocam uma ruptura no antigo modelo de negócios. Elas, normalmente, favorecem o aparecimento de novos entrantes.”
Clayton M. Christensen

 

É como a história da indústria da computação que, antes da chegada dos primeiros microcomputadores, era dominada pelos mainframes. Além de serem muito caros - eram vendidos apenas para grandes empresas e universidades -, exigiam experiência em engenharia para operá-los. Porém, no final da década de 1970, a Apple, de Steve Jobs, ao perceber esse gap, começou a vender computadores pessoais, oferecendo um produto acessível tanto em preço quanto em funcionalidade.

 

Inovação disruptiva na atualidade

Passados 20 anos, o conceito disrupção sofreu uma atualização fundamental e passou a definir tecnologias que já nascem capazes de gerar novos negócios e revolucionar mercados inteiros, não só os emergentes. Hoje, existem diversas organizações muito inovadoras - nascidas, em sua maior parte, no modelo de startups - espalhadas por todos os cantos do mundo. Sua principal característica é causar disrupção por onde passam. Para identificá-las, basta pensarmos: quais são as marcas que impactaram uma cadeia de consumo ou redefiniram completamente uma indústria? Logo vêm à mente nomes como Google, Uber, Airbnb, Spotify, Netflix e Wikipedia.

Todas provocaram mudanças em seus segmentos, assim como a Apple fez na indústria da computação:

 

  • Google, que fez milhões de pessoas esquecerem que precisavam de listas telefônicas.
  • Uber não fabrica carros ou oferece serviços de transporte; intermedia a relação entre motoristas e passageiros.
  • Airbnb tem a maior oferta de quartos do mundo sem possuir nenhum hotel.
  • Spotify, que não gravou nenhuma música, mas já se tornou o maior streaming de música do mundo.
  • Netflix, que desconstruiu o mercado das locadoras e, hoje, compete com gigantes da televisão.
  • Wikipedia, que anulou a importância dos vendedores de enciclopédia e serviços pagos de enciclopédias online.

 

Elas até podem ter como característica comum a facilidade da oferta de produtos e serviços realizada por meio do uso de tecnologias e recursos digitais, porém, não é exatamente isso que as torna empresas inovadoras e disruptivas. Essa é apenas uma adaptação decorrente da ascensão do desenvolvimento tecnológico. O que as diferencia é que elas, impulsionadas pelo digital, afastaram-se dos modelos estabelecidos no mercado, oferecendo soluções inovadoras para resolver problemas dos seus consumidores, deixando obsoletos quem até então era líder de mercado.

 

Inovação disruptiva no meio empresarial

No universo em que a CI&T atua, realizar uma inovação disruptiva está relacionada à necessidade de criar caminhos e estratégias diferentes das tradicionais para atingir determinado objetivo ou resultado. E não estamos nos referindo somente à invenção de um produto ou serviço ou ao desenvolvimento de novas ferramentas, sistemas e tecnologias, mas à criação de novos valores, conceitos e entendimentos sobre modelos de atuação, muitas vezes, seculares.

Acompanhamos empresas de segmentos tradicionais, como o bancário ou automotivo, mudando as suas rotas de atuação, modificando processos e operações, incluindo novas estratégias e, até mesmo, derrubando burocracias ou padrões, como a departamentalização. Porém, isso só acontece devido à inovação disruptiva, que permite criar um novo mindset de estímulo à criatividade, à busca de novos caminhos que surpreendam os consumidores e tragam novas possibilidades e rumos.

A partir dessa realidade, deparamo-nos com organizações muito mais preparadas para encarar as mudanças que ocorrem no mercado (principalmente aquelas ligadas ao comportamento do consumidor que, hoje, tem hábitos de compra muito relacionados à agilidade e à velocidade de uma oferta). Elas também estão dispostas a se adaptar à essência de um mundo cada vez mais digital, que instiga a criação de modelos de negócio focados na geração de valor real para os clientes e na atenção às suas necessidades, e moldar as suas mentalidades e modus operandi conforme essas exigências.

Ou seja, vemos marcas que turbinam as suas inovações na era digital, oferecem propostas, soluções e experiências muito mais interessantes e satisfatórias para os consumidores e provocam inovações disruptivas em suas cadeias de negócio com o objetivo de estarem sempre à frente na conquista do sucesso. Deseja fazer parte do time de empresas inovadoras? Então conheça tudo sobre o assunto lendo o nosso blog.