Este site usa cookies para oferecer uma melhor experiência de navegação. Ao continuar e navegar pelo site, você aceita o uso de cookies.

Para informações completas, consulte nossa Política de Privacidade.

Valor Econômico destaca hackathon da DASA com a CI&T

by: CI&T Team

Foto CI&T é destaque no Valor Econômico
Posted on Aug 28, 2017

Matéria “Maratonas tecnológicas atraem talentos” destaca a hackathon da DASA, desenvolvida em conjunto com a CI&T.

 

O Valor Econômico abordou como os ‘hackathons' vêm sendo adotados por empresas de diversos setores como estratégia de recursos humanos. Entre o principal exemplo citado, está o hackathon da DASA, desenvolvido em conjunto com a CI&T.

Usualmente promovidas por empresas de tecnologia, organizações sem fins lucrativos ou grupos de profissionais da área, essas ‘maratonas’ têm como meta reunir um grupo de programadores para trabalhar em equipe e alcançar um objetivo em comum - desenvolver aplicativos, sistemas ou achar uma solução tecnológica para um problema. A ferramenta é uma entre diversas estratégias de recrutamento intensamente focadas na prática, adotadas não só para encontrar profissionais disputados no mercado, mas para encurtar o processo seletivo.

Para a Dasa, que está passando por uma transformação digital, é também uma forma de se posicionar como potencial empregador para profissionais de TI. "O primeiro ponto é comunicar para essa turma que a Dasa está fazendo tecnologia de ponta", diz Ricardo Orlando, Chief Information Officer (CIO) da Dasa. 

Para adentrar o mundo da tecnologia e chegar até os profissionais da área, a Dasa se uniu à CI&T como grande parceira no setor. Aqui na própria CI&T, as 'hackathons' próprias são adotadas como forma de recrutamento desde 2013. "É um instrumento de contratação e de engajamento fantástico para a comunidade técnica, que também mostra um pouco da cultura e dos valores da empresa", diz Marília Honório, gerente global de engajamento e contratações.

Com mais de 2.500 funcionários, práticas similares às 'hackathons’ são adotadas em nossos processos seletivos. Em todos os cargos, do nível inicial ao executivo, a empresa não promove etapas tradicionais como a entrevista de emprego. "Nosso mantra é tirar o blá-blá-blá e mostrar a experiência de um dia de trabalho", diz Marília. Além de testar as habilidades do profissional, a ideia é apresentá-lo para o ambiente de trabalho e a equipe. "Quando a decisão de emprego é mútua, aumenta a probabilidade de dar certo", diz.

Leia a matéria na íntegra (exclusiva para assinantes) aqui.