Queremos entregar conteúdos cada vez mais relevantes para você e sua jornada. Para isso, precisamos que você aceite nossos cookies.

Se quiser saber mais, basta acessar nossa Política de Privacidade.

Com forte estratégia de internacionalização, CI&T inaugura operações na Europa

As operações em Londres e em Lisboa visam atender projetos de grandes marcas nas principais economias do continente.

CI&T inaugura operações na Europa
Posted on Mar 27, 2020

 

A CI&T, já está presente em mercados como Estados Unidos, Canadá, Japão e China, inaugurou no primeiro trimestre de 2020 duas operações estratégicas no continente europeu, em Londres e Lisboa, e a operação canadense, sediada em Toronto. O foco principal é conduzir projetos para grandes marcas globais que operam na região, ampliar o escopo de atuação em clientes de todos os mercados globais, além de estimular o desenvolvimento do próprio ambiente de inovação e de transformação digital na Europa. Com crescimento rápido e consistente, dobrando de tamanho a cada três anos, a CI&T estima que seu faturamento global ao fim de 2020 seja acima de R$ 1 bilhão.

 

"A expansão internacional é chave para a consolidação da CI&T. A companhia já ampliou sua presença no mercado norte-americano, acelerando seu crescimento anual de 25% para 30% nos últimos anos", ressalta Bruno Guicardi, presidente e cofundador da CI&T. "Com a entrada no continente europeu, esperamos obter resultado semelhante", complementa.

 

As principais operações serão baseadas em Lisboa, na ponta de desenvolvimento de soluções digitais e de design, e em Londres, que terá os novos negócios como foco do trabalho. Esses escritórios suportarão os projetos da CI&T sobretudo em países como Alemanha, Suíça, França e Espanha, além das bases locais em Portugal e no Reino Unido. "Praticamente todas as empresas, de pequeno a grande porte, precisam de soluções e de serviços digitais e de ajuda para implementá-los. Nossa presença na região nos permitirá conscientizar as companhias da importância dos nossos projetos de transformação digital e, assim, alavancar o desenvolvimento de novos negócios", ressalta Guicardi.

 

A escolha de Londres como ponto central da operação europeia foi pensada justamente pelo alcance continental, além de fatores de estabilidade econômica, atração de investimento estrangeiro e maturidade tecnológica, como avalia Carolina Rossi Wosiack, que será a Managing Director da operação na capital britânica e responsável por novos negócios no continente. "O mercado global de transformação digital dobrou nos últimos 18 meses, e 69% das companhias do Reino Unido planejam investir nesse processo nos próximos três anos. Estamos falando de um mercado estimado em US$ 2 bilhões", avalia a executiva. "Há uma grande oportunidade para auxiliar companhias tradicionais a gerar impacto por meio da digitalização."

 

Já na capital portuguesa ficará o centro de desenvolvimento de soluções digitais e de design. O foco será a atração de talentos para a condução dos projetos de tecnologia no continente, especialmente estrategistas digitais, designers, profissionais de desenvolvimento, scrum masters e product managers. "Lisboa oferece uma localização estratégica, acesso aos principais mercados e um grande conjunto de talentos, além de infraestrutura de ponta e custos competitivos", afirma Guicardi. "Entendemos que nenhum centro metropolitano europeu teria capacidade, sozinho, para atender à demanda por talentos na nossa área. Será necessária a habilidade de atrair profissionais habilidosos de outros lugares, e Portugal tem as políticas e os incentivos para isso já implementados", complementa o presidente da companhia.

 

Estima-se um investimento de mais de 2 milhões de euros nos próximos dois anos para expandir a operação na Europa. Em Lisboa, espera-se que o número de profissionais atuando no centro de desenvolvimento e de design chegue a 200 ao fim desse período. A CI&T também mapeia oportunidades futuras de novos investimentos, embora ainda sem definições. "A estratégia de operação e de investimentos está diretamente atrelada uma a outra, e ambas servem para suportar nossa expansão na região, de modo a pavimentar o objetivo da companhia em ter atuação global", ressalta Gon.

 

Veja a repercussão na mídia:

 

Época Negócios