HSM Expo: Conexão com as pessoas é a chave do impacto

No primeiro dia, o foco no consumidor e no colaborador para alcançar o sucesso no ambiente digital foram os principais temas abordados pela CI&T e do Grupo Ânima Educação.

HSM Expo: Conexão com as pessoas é a chave do impacto
Posted on Nov 12, 2019

 

O que você vai ler aqui:

  • O que é necessário para uma liderança digital 

  • Impacto da transformação digital nas pessoas e companhias

  • O que são comunidades exponenciais


 

O que move você como líder? Lançando essa pergunta a uma plateia repleta de executivos e executivas de companhias dos mais diversos segmentos, o Estrategista Sênior de Liderança e Coaching da CI&T, Marlon Silva, abriu o painel Lean Coaching: Como Desenvolver um Exército de Problem Solvers, ao lado de Paulo Câmara, Business Director da CI&T, realizado na Arena CI&T- Driven by Impact, no primeiro dia da edição 2019 do HSM EXPO. 

 

A provocação de Marlon causou burburinho entre presentes, que aceitaram a chamada dele para pensar em suas carreiras frente aos desafios impostos pelo mercado digital. Para Marlon, é fundamental ter consciência sobre suas próprias aspirações, valores e desejos para ser, de fato, líder em tempos digitais. Isso porque, hoje, profissionais buscam trabalhar em companhias com as quais se identificam e que estejam conectadas com seus sonhos. Sem propósito, as pessoas não se sentem motivadas a se desenvolver. "Como líder, se você não tem clareza sobre seu propósito, você não consegue ajudar as pessoas a encontrar o delas".

 

 

Marlon disse, ainda, que existem poucas práticas no mercado em relação à liderança. "A liderança, hoje, é vista como algo intuitivo, só que a gente está em uma era digital, não tem script, e isso gera insegurança. O mundo está muito competitivo, é preciso ter metodologia para não se perder". Para ele, a metodologia capaz de formar lideranças aptas para ajudar as pessoas a desenvolverem todo o seu potencial é a liderança Lean, aplicada na CI&T.

 

"A liderança Lean tem quatro pilares: o primeiro é o autoconhecimento, você deve conhecer os seus valores para ajudar as pessoas a conhecerem o delas. O segundo, que é a grande missão da liderança, hoje, é desenvolver pessoas para autonomia, tanto colaboradores como futuras lideranças. O terceiro é a melhoria contínua, buscar sempre o melhor de si mesmo e das suas pessoas. Para isso, seja frequente com as suas pessoas, esteja por perto, disponível e tenha coerência para inspirar. E o quarto pilar é criar metas alinhadas aos objetivos e estratégias da companhia."   

 

E falando especialmente sobre a grande missão de líder, Marlon destacou o Lean Coaching como uma grande ferramenta. "Hoje, uma das melhores formas de acelerar o protagonismo das pessoas é o coaching: uma habilidade da liderança, como a do feedback." Para ele, que desenvolve o Lean Coaching na CI&T e junto aos clientes da companhia, o coaching deve ser um meio de desenvolver pessoas constantemente, ensinando-as a serem autônomas na criação de novas soluções para os problemas que se apresentarem no dia a dia. "O novo foco da liderança tem que ser as emoções das pessoas, desbloquear o potencial que elas têm e ajudá-las a criar estratégias para resolver seus próprios problemas."

 

Por que mudar a liderança?

"Por que vale a pena investir em uma mudança de forma de liderar? Primeiramente, para acabar com o excesso de dependência do time. Eles devem saber resolver o que se apresentar. Em segundo lugar, para acabar com a sobrecarga do líder. E, por fim, para que líderes possam conectar-se aos seus próprios propósitos", resumiu. 

 

Para trazer uma visão do outro lado, como líder que está na jornada de preparação para a era digital, Paulo Câmara contou sobre as surpresas do início de sua transformação. "Quando fiz o exercício de preparação de liderança Lean, me vi muito comando de controle. Foi um choque. Eu não me via assim", disse. "É realmente fundamental o tal do autoconhecimento, do propósito. Isso é muito poderoso. Comece com essa autorreflexão, esse é o primeiro passo", completou.

 

Depois de mergulhar em uma nova visão sobre seu papel, de formar pessoas com o Lean Coaching, Paulo conta que aprendeu lições de valor. "É um exercício de humildade deixar as pessoas serem protagonistas. A nossa tendência de mandar fazer é muito forte. Devemos estar em observação contínua para evitá-la. Temos que praticar de forma consciente, é um exercício de comprometimento diário". Porém, o esforço vale a pena. "Usar as ferramentas do Lean Digital nas pessoas é impressionante. Ajuda realmente a destravar o potencial delas".

 

Impactos da transformação digital nas pessoas 

O segundo painel do dia teve foco no cliente. Com o tema A transformação digital e seus impactos organizacionais e nas pessoas, Carolina Marra, VP de Pessoas e Transformação Digital; Patricia Fumagalli, Diretora da Ânima Digital; e Cristiano Assis, Diretor de Relacionamento, os três da Ânima Educação, além de Mauro Scatena, Gerente Sênior da CI&T, falaram sobre o case de transformação digital do Grupo Ânima. 

 

Na abertura do painel, Mauro, que faz parte da equipe CI&T que está apoiando a Ânima na jornada rumo ao seu modelo digital, resumiu: "a parte mais importante da Transformação Digital são as pessoas". Para ele, atenta à necessidade da centralidade no cliente, a Ânima fez um movimento muito forte em relação a conhecer, de fato, seu aluno e ouví-lo antes de qualquer tomada de decisão. "Nossos alunos nos comparam com Nubank, Netflix e Uber. Esse é o parâmetro. Então, temos que entregar essas experiências para eles", complementou Patricia Fumagalli. 

 

O foco no aluno é tão importante para a companhia, hoje, que são as necessidades dele que ditam o norte. "Temos que começar a transformação digital pelas perguntas: qual é o impacto para o nosso aluno? Para, depois, perguntar qual é o impacto nos negócios", concordou Carol Marra.  

 

Porém, para conseguir, de fato, entregar a experiência que atenda às necessidades do cliente, é preciso se preparar para um ambiente incerto, tornar a companhia capaz de mudar rapidamente de rumos por meio do estabelecimento de uma cultura de experimentação. "O sucesso da transformação digital depende de algumas competências: temos que estar sempre preparados para nos adaptar, para a colaboração e para a empatia genuína com aluno. Além disso, é preciso ter a coragem de mudar", afirmou Carolina Marra. 

 

O sucesso da transformação Lean Digital

Para Mauro, a Ânima vem conquistando com muita disciplina e atenção a metodologia da CI&T, o Lean Digital, o sucesso nesse desafio. Para ele, "o maior ganho da transformação é ter a empresa mais preparada para mudança, e a Ânima já aprendeu um novo modelo de trabalho, o digital", disse. O resultado pode ser visto nos impactos de negócio trazidos pelo trabalho realizado em conjunto. 

 

"Depois que você conhece o Lean Digital, a errar rápido e acertar rápido e todas as metodologias, você percebe o quanto você trabalhava antes e quão pouco você entregava de valor para o seu aluno. Resumindo, o modo de trabalho antigo é ineficiente, frustrante e entrega pouco valor", disse Cristiano Assis.

 

"Analisando só o produto rematrícula, por exemplo, entre os principais resultados, está a redução de 73% no lead time no processo e o aumento de 46% no NPS dos alunos em ciclos muito curtos de trabalho", disse Mauro. Para Carolina Marra, a velocidade é um dos maiores ganhos no processo, pois, além de trazer um grande retorno em satisfação do aluno, impulsiona o negócio. "O maior impacto que temos é entregar com mais qualidade e velocidade. A CI&T vem sendo mais do que um fornecedor, vem sendo uma parceira muito importante nessa jornada de transformação digital", disse. 

 

Sobre as motivações para enfrentar a difícil desafio de mudar a empresa profundamente, Cristiano diz que é ver o quanto estão trazendo de benefícios para a vida dos seus clientes. "O que nos motiva é saber que estamos gerando valor imediato para o nosso aluno, para tirar o desperdício na jornada dele e para que ele use o tempo dele para o seu projeto de vida." Patrícia completou: "essa é uma oportunidade incrível! O que nos move é criar a melhor experiência digital de educação no Brasil, e (por que não?) no mundo!"

 

 

As comunidades como potencializadoras da transformação

No terceiro painel do dia, Exponential Communities: Escalando organizações através de comunidades, Vinícius Lucas, Head de Engenharia da CI&T, falou sobre a dificuldade dos grandes centros tradicionais em encontrar talentos em tecnologia. Para ele, essa escassez de profissionais capacitados pode ser solucionada com a descentralização, a criação de novos polos de inovação.

 

"Há um estudo que diz que, até 2022, vão faltar 300 mil pessoas com perfil de tecnologia. Esse é um problema que todas as empresas vão enfrentar em um ambiente de disrupção. A forma de resolver isso é buscar criar novos centros que tenham pessoas capacitadas, novos talentos em tecnologia. No Brasil, isso já está acontecendo, essa descentralização da inovação. O business historicamente sempre esteve em São Paulo, mas as pessoas, os talentos em tecnologia, estão em todos os lugares", afirmou. 

 

Um meio de fazer isso é fortalecer as chamadas comunidades exponenciais em diferentes localidades. "Comunidades exponenciais são aquelas capazes de empoderar individualmente para que as pessoas empoderadas gerem um coletivo forte", disse. Assim, é possível criar novas oportunidades para os talentos que se encontram espalhados pelo País e desmotivados por falta de desafios interessantes e propósito nos seus trabalhos. "Precisamos ajudar essas pessoas a encontrar seu propósito porque propósito é a chave para o fortalecimento de um ecossistema de inovação", disse. 

 

Sobre o evento

Com o tema Ouse Aprender, a edição 2019 do HSM EXPO aconteceu no Transamérica Expo Center, em São Paulo, entre os dias 4 e 6 de novembro. O evento contou com 4 arenas e 11 auditórios, com a presença de painelistas nacionais e internacionais, falando sobre os temas mais relevantes para os negócios. 

 

 

Entre os destaques, os autores bestsellers Eric Ries e Yuval Noah Harari; Steven Kotler, um dos maiores especialistas da atualidade em expansão da consciência; a Fundadora do The Huffington Post, Arianna Huffington; Sean Ellin, fundador e CEO da Growth Hackers; Martha Gabriel, uma das principais pensadoras digitais brasileiras; o psicanalista Contardo Calligaris, além de outros grandes nomes de gestão, carreiras e negócios.

 

Na Arena CI&T - Driven By Impact, além dos nomes já mencionados, Carolina Cevciuc, Diretora de Transformação Digital da Nestlé; Claudia Mattedi, Diretora Financeira, e Sonia Rica, Diretora de Atendimento, ambas da Porto Seguro; Victor Queiroz, Diretor de RH do Bradesco; Solange Sobral, VP de Operações, Renata Mello Feltrin, Head de Experience Management e Digital Transformation, Rodrigo Neman, Head de Analytics, Carla Borges, Head de People, Joceline Seixas, Sênior Business Partner Manager, Taliza Weiss, People Development Strategist, e Gustavo Concon, CTO, da CI&T.